Todo mundo, em algum momento da vida, assistiu um filme bem bizarro de um animal feroz gigante atacando um grupo de pessoas que foram passar um tempo em um lugar distante ou buscar informações sobre a espécie fora da cidade. Foi isso que aconteceu em 1997, com a chegada do clássico trash “Anaconda” aos cinemas mundiais. O longa foi o terceiro filme – e o primeiro de sucesso – da carreira da cantora Jennifer Lopez, dois anos antes dela seguir carreira musical, e não poderíamos esquecer dele  e comemorar 20 anos de lançamento!

Anaconda acompanha um grupo de documentaristas que viaja de Los Angeles rumo à Manaus, no Brasil, para produzir um filme sobre uma tribo perdida dos Shirishama. Chegando aqui, eles seguem um caminho através do Rio Amazonas para tentar encontrar vestígios que possam levá-los à tribo.

Após chegar no Rio Amazonas, Terri Flores, personagem de Jennifer Lopez, é orientada pelo professor antropólogo Steven Cale (Eric Stoltz) à seguir viagem e, ao longo do caminho, ela e sua equipe acabam salvando de um naufrágio o caçador de cobras Paul Sarone (Jon Voight). Não querendo ser contrariado, Paul força a equipe de Terri a ajudá-lo a capturar a gigantesca Anaconda, para receber uma grande recompensa.

Agora o resto você já sabe, né? A cobra matou muita gente e rolou altas confusões e travessuras de um bichano de botar medo. Não resisti e tive que colocar uma referência de Sessão da Tarde! Hahaha

POR TRÁS DA “TRASHEIRA” TODA

Apesar de se passar no Brasil, o longa teve algumas cenas gravadas em um jardim botânico de Los Angeles. Algumas semanas de 1996 foram dedicadas às cenas situadas no Rio Negro, o maior afluente da margem esquerda do rio Amazonas, e o elenco foi obrigado a viver com milhares de mosquitos e o medo REAL de uma cobra de verdade dar as caras no set.

A produção, durante a metade das filmagens, teve um problema com o robô gigante da cobra e acabou tendo que usar um pouco de computação gráfica para completar as cenas que faltavam. Nem tudo sai perfeito…

Mais Anacondas foram surgindo…

Com o sucesso de bilheterias – e não ligando muito para as críticas da imprensa – a Sony esperou alguns anos e em 2004 lançou a sequência Anaconda 2 – A Caçada pela Orquídea Sangrenta, que não é muito diferente da premissa do primeiro.

Com isso, Anaconda 3, 4, 5 e 65249 foram surgindo sempre repetindo a mesma história com a morte trágica da enorme cobra no fim e o final feliz dos cientistas que sobreviveram.